A Cabovisão disponibiliza a partir de hoje um novo serviço triple play sem fidelização e vai investir na maior campanha de comunicação de sempre da empresa, no valor de 7,5 milhões de euros, disse à Lusa o diretor-geral.

«Depois de uma reflexão nos últimos meses, vamos reposicionar a nossa marca e, pela primeira vez, vamos oferecer um produto sem fidelização» de triple play [oferta de televisão, Internet e telefone fixo], explicou o diretor-geral, João Zuquete da Silva.

Os serviços triple play em Portugal têm uma fidelização de 24 meses, tendo recentemente a Deco - Associação para a Defesa do Consumidor contestado a duração destes contratos.

A acompanhar o lançamento desta oferta sem fidelização estará uma campanha multimeios da operadora, cujo investimento total é de 7,5 milhões de euros.

Esta campanha de comunicação, «a maior de sempre» da Cabovisão, pretende «inverter a tendência que existe junto dos consumidores de que só existem os operadores que comunicam» e tem como objetivo apostar no crescimento da empresa, adiantou.

Com uma presença na zona da península de Setúbal, que cobre áreas desde Almada a Setúbal ou mesmo Alcochete, Lisboa Oriental ou a região de Estarreja, a Cabovisão pretende crescer no mercado português.

Atualmente, com 263 mil clientes, mais de 65% têm serviço triple play, disse o diretor-geral da Cabovisão, empresa que pertence ao grupo Altice.

Sobre a oferta 4play, que oferece telefone fixo, móvel, Internet e televisão, João Zuquete da Silva disse que, «neste momento, não é um obstáculo ao desenvolvimento» da Cabovisão, tendo considerado que as atuais ofertas da concorrência «são caras».

No entanto, a médio prazo, entre «o final deste ano e o próximo», a empresa vai ter de analisar esta possibilidade, disse.

Questionado sobre as conversações com operadores móveis para ser um operador móvel virtual, João Zuquete da Silva adiantou que estas mantêm-se, mas não há decisões.

«Estrategicamente faz sentido», disse o diretor-geral, mas sublinhou que as propostas têm de ter uma relação de custo-benefício.

João Zuquete da Silva disse ainda que a Cabovisão é «sustentável» e está no mercado português para crescer.

Em relação à possibilidade de alargar a sua presença em outras áreas de Lisboa ou Porto, o diretor-geral sublinhou que a operadora está atenta às oportunidades.

Lembrou que, no âmbito da fusão com a Zon, um dos remédios colocados pela Autoridade da Concorrência foi negociação da Optimus com outros operadores para o acesso à rede de fibra.

«Estamos interessados na oferta, caso financeiramente faça sentido», comentou.

A Cabovisão emprega diretamente 240 pessoas e o triplo indiretamente, disse o responsável.