O consórcio que integra a Petrobras venceu o leilão de exploração no campo petrolífero de Libra, na Bacia de Santos, revelou a Agência Nacional de Petróleo brasileira (ANP).

Este consórcio, que foi o único a apresentar proposta, é composto pela Shell Brasil (20%), Total (20%), CNPC (10%), CNOOC (10%) e Petrobras (10% + 30% obrigatórios).

A região, que deverá tornar-se o maior campo de exploração de petróleo do país, possui reservas estimadas entre 8 e 12 mil milhões de barris, com previsão de produzir até 1,4 milhões de barris por dia.

O consórcio pagará 15 mil milhões de reais (cerca de 2,9 mil milhões de euros) como prémio de assinatura do contrato.

Libra foi a primeira área do pré-sal (uma camada de rochas sedimentares localizada a 6.000 metros de profundidade) realizado sob o nome regime de partilha, cujas regras determinavam que a Petrobras deveria ser, necessariamente, a operadora do empreendimento, com participação de, pelo menos, 30 por cento.

Além dessa participação, o consórcio vencedor contou com uma proposta da Petrobras, que entrará com outros 10 por cento, assumindo 40 por cento do projeto global.

A Petrogal Brasil, que inclui a Galp, que estava inscrita para participar da licitação, não apresentou proposta.