A Autoridade dos Serviços Financeiros do Dubai (DFSA, na sigla em inglês) informou o mercado de que a liquidação do ES Bankers, o banco que o Grupo Espírito Santo detinha no país, vai ser decidida a 19 de outubro.

Até lá, um tribunal competente nomeou dois responsáveis, Stephen Bowers e Neville Barry Kahn, da Deloitte, para gerirem a liquidação provisória da entidade.

Segundo a Lusa, esta decisão, tomada na segunda-feira, teve por base uma apresentação do gestor que a DFSA colocou à frente do ES Bankers a 18 de setembro, data em que interveio na instituição que se dedica à gestão de fortunas, na qual atesta que o banco «não é mais capaz de cumprir as suas obrigações».

A missão dos dois responsáveis que ficaram a gerir a liquidação provisória do ES Bankers é proteger os ativos da entidade e os dos seus clientes até haver uma decisão definitiva na justiça acerca da liquidação da instituição.

A 18 de setembro, a DFSA impôs restrições ao ES Bankers, que impedem a instituição de receber e de pagar depósitos e obrigam-na a manter e preservar os seus ativos.

A imposição da restrição foi considerada «necessária» pela DFSA devido à incapacidade de o banco do GES com sede na Suíça, Banque Privée Espírito Santo, honrar compromissos contratuais com o ES Bankers Dubai.

O não cumprimento das obrigações do banco suíço «comprometeu seriamente as operações e a solvência»do ES Bankers Dubai, realçou o regulador do Dubai.

O ES Bankers Dubai é uma unidade de gestão de patrimónios, subsidiária do Espirito Santo Financial Group, com sede no Luxemburgo.