O BBVA estima que a economia portuguesa tenha registado um crescimento nulo no primeiro trimestre do ano, revendo em baixa a previsão que fez há um mês, devido ao indicador negativo da produção industrial em fevereiro.

No Observatório Económico publicado hoje, o BBVA refere que, tendo em conta os dados disponíveis, o seu modelo de previsões aponta para «um crescimento trimestral do Produto Interno Bruto (PIB) nulo no primeiro trimestre de 2014, o que supõe umas duas décimas menos do que a estimativa de há um mês».

A produção industrial caiu ligeiramente em fevereiro (-0,6%), mas a média trimestral manteve-se acima da observada no quarto trimestre de 2013, refere o banco, que antecipa uma melhoria da produção industrial em março.

Quanto às exportações, o BBVA escreve que «podem ter diminuído a sua contribuição para o crescimento no primeiro trimestre de 2014», uma vez que abrandaram ligeiramente a tendência de crescimento em fevereiro (-0,4% face à média do trimestre anterior).

Quanto à execução orçamental, o BBVA está otimista, considerando que os dados até fevereiro (défice de 48 milhões de euros face a um défice de 273 milhões no período homólogo) sugerem que «o défice não deverá superar o limite estabelecido de 1.700 milhões no primeiro trimestre».

A meta do défice acordada para este ano entre o Governo e os credores internacionais é de 4% do PIB.