O Banif vai avançar com um aumento de capital social sem aguardar pelo aval de Bruxelas ao seu plano de reestruturação, afirmou o presidente da Comissão Executiva da instituição.

«O aumento do capital tem sido feito por tranches. Este ano, o banco já levantou 300 milhões de euros depois do quadro estabelecido com a Direção-Geral de Concorrência relativamente às linhas estratégicas para o futuro», declarou Jorge Tomé aos jornalistas, em Ponta Delgada, à margem do dia do investidor promovido pelo Banif.

Jorge Tomé confirma assim, citado pela Lusa, as notícias de que o plano de reestruturação «ainda não está aprovado», mas as linhas fundamentais estão «trabalhadas» com a Direção-Geral de Concorrência.

«O que o Banif está a fazer é proceder à implementação da sua estratégia. Isso não é um obstáculo para que se avance para um aumento de capital. Já fizemos 312 milhões de euros e o objetivo é fazermos 450 milhões de euros», refere Jorge Tomé.

O presidente da Comissão Executiva do Banif considera que as medidas de Bruxelas, assentes em quatro «pilares fundamentais», fazem parte da «transformação do banco» e da «sua estratégia».

«É isso que estamos a fazer com o objetivo de transformar o banco num instituição financeira mais líquida e mais rentável. Esse é o objetivo», frisa o presidente da Comissão Executiva do Banif, que assegura que os Açores e Madeira estão «estabilizados» em matéria de balcões.