Os cinco maiores bancos portugueses têm em carteira cerca de 5.200 milhões de euros em imóveis recebidos por falta de pagamento de créditos.

Por lei, estes imóveis terão de ser vendidos no prazo máximo de dois anos, mas a tarefa não é fácil e o número de casas nos balanços dos bancos não para de crescer. Desde 2011, o peso dos mesmos no balanço dos cinco maiores bancos cresceu 50%.

Ora, de acordo com a lei, os mais de 3.500 milhões de euros em imóveis que faziam parte da carteira da banca no final de 2011 têm de ser alienados até ao final deste ano.

Excecionalmente, o Banco de Portugal pode autorizar os bancos a manterem estes ativos por mais tempo, mas a pressão para vender pode fazer baixar o valor dos mesmos, reduzindo o potencial do encaixe.

De acordo com o «Jornal de Negócios», este é um dos assuntos que vai merecer a atenção da missão técnica da troika, que se encontra em Portugal para a oitava e nona avaliações do programa português. Os técnicos querem que os bancos reforcem as imparidades para acautelar eventuais perdas com a venda destes ativos.