O número de reclamações dos clientes bancários cresceu 24,5% no primeiro semestre deste ano, face ao mesmo período do ano passado, revelam dados do Banco de Portugal publicados esta segunda-feira.

No total, o regulador da banca recebeu 9.715 reclamações até ao final de junho, a maioria das quais referente ao crédito ao consumo.

«O Banco de Portugal recebeu 9.715 reclamações, numa média mensal de 1.619 reclamações (aumento de 24,5% em relação à média mensal de 2012)», refere a Síntese Intercalar de Atividades de Supervisão Comportamental.

«As matérias mais reclamadas dizem respeito a crédito aos consumidores (29,1% do total de reclamações apresentadas), a contas de depósito (25,2%) e a crédito à habitação (13,1%)», refere.

A instituição acredita que o forte aumento das queixas se deve aos novos regimes de incumprimento. «Com o recente alargamento do quadro normativo, no qual se destacam os novos regimes do incumprimento, as reclamações efetuam-se num quadro mais amplo de direitos atribuídos aos clientes na sua relação com as instituições», explica.



«A média mensal das reclamações relativas a crédito aos consumidores aumentou 48,2% no primeiro semestre de 2013, face a 2012, sendo cerca de metade deste aumento justificado pelas reclamações relativas a situações de incumprimento, nomeadamente sobre matérias enquadradas pelo regime geral», acrescenta.



Além de reclamarem mais, os portugueses reclamam também com mais razão: a percentagem das queixas em que o cliente tinha razão aumentou face a 2012. «A evolução face a 2012 evidencia um ligeiro aumento da proporção de reclamações consideradas com fundamento», esclarece.

«O Banco de Portugal não observou indícios de infração por parte da instituição de crédito em 43% das reclamações encerradas; em 57% dos casos, a instituição de crédito resolveu a situação apresentada, por sua iniciativa ou por recomendação e/ou determinação específica do Banco de Portugal», conclui.