A Autoeuropa fez esta segunda-feira uma paragem durante a tarde devido à falta de um tubo de travão para os veículos produzidos na fábrica de Palmela, «um problema logístico da inteira responsabilidade do fornecedor», informou fonte oficial da empresa.

A administração da Volkswagen Autoeuropa não adianta mais explicações sobre o sucedido, mas o coordenador da Comissão de Trabalhadores, António Chora, considera que «não há motivo para preocupações».

«Houve um problema com um dos fornecedores, a TTS, que é responsável por colocar a produção na fábrica de Palmela e que, por qualquer razão que ainda desconhecemos, não entregou o material e obrigou à paragem do turno da tarde», disse á Lusa António Chora.

«Temos a informação de que o problema será resolvido até às 22:30 de hoje», acrescentou o representante dos trabalhadores.


Apesar de desvalorizar a paragem efetuada no segundo turno de hoje, António Chora referiu que, desde o início do ano, a fábrica de Palmela já foi forçada a fazer três downdays (dias de paragem da produção) devido à falta de material, além do meio-dia de paragem que ocorreu esta segunda-feira.

Questionado sobre o fornecimento alternativo de materiais que determinaram as paragens anteriores, designadamente dos vidros dos carros produzidos pela Dura Automotive, no Carregado, onde ocorreu um incêndio no passado dia 03 de março, António Chora disse que os materiais em causa estão a ser produzidos em diversas fábricas, pelo menos uma delas na Alemanha, mas acrescentou que se prevê que toda a produção volte em breve para Portugal.

A Autoeuropa, a maior empresa do setor automóvel em Portugal, é responsável por mais de 3.600 postos de trabalho diretos e fundamental para a atividade de milhares trabalhadores de outras empresas portuguesas que são fornecedoras da fábrica de Palmela, no distrito de Setúbal.