O presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), Miguel Frasquilho, afirmou esta segunda-feira que a entidade vai passar a ter uma delegação em Timor-Leste «nos primeiros meses de 2015».

Miguel Frasquilho falava na apresentação do plano estratégico da AICEP, o qual prevê a presença da entidade em todos os países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) até final do mandato da administração da entidade, em 2016.

«Toda a CPLP vai ser coberta pela AICEP», afirmou, citado pela Lusa.

Questionado sobre quando prevê a abertura de uma delegação em Timor-Leste, Miguel Frasquilho lembrou que este é «um dos países onde existe uma representação diplomática» e acrescentou: «apontaria para os primeiros meses de 2015».

«Sentimos que há muitas empresas em Timor que não têm tido a atenção devida», apontou Miguel Frasquilho, referindo que há «muitas empresas portuguesas» a participar na reconstrução do país.

Por isso, considerou importante a presença da AICEP naquela zona do globo para fortalecer as relações e a cooperação entre os dois países.

Sobre se o recente caso da expulsão de juízes portugueses de Timor-Leste poderá causar algum constrangimento na abertura da delegação no país, Miguel Frasquilho afirmou não ter encontrado «qualquer reserva» sobre o assunto por parte das entidades que tutelam a AICEP: vice-primeiro-ministro, Ministério da Economia e Ministério dos Negócios Estrangeiros.

«Não encontrei nas entidades que referi qualquer reserva em relação à nossa intenção, que nos parece do ponto de vista económico e do tecido empresarial português mais do que justificada. Não encontrei nenhuma reserva, nenhuma dúvida», sublinhou.