A espanhola Acciona iniciou o processo de venda de até 49% do negócio eólico internacional para compensar o impacto que a reforma energética em Espanha teve na atividade das renováveis da empresa.

Em causa estão cerca de meia centena de parques eólicos, que somam 2.273 MW, instalados em 15 países, entre os quais Portugal onde mantém duas estruturas, uma no Porto e outra em Carnaxide, com uma potência de 142 MW.

Estas instalações internacionais geram receitas de cerca de 500 milhões de euros e um EBITDA (resultados operacionais reais antes de provisões, impostos e amortizações) de 350 milhões de euros, segundo uma apresentação remetida à Comissão Nacional do Mercado de Valores espanhola (CNMV).

O plano de venda pretende ceder até 49% do capital dos parques eólicos a um sócio que será escolhido de entre cerca de uma dezena de ofertas não vinculantes, todas estrangeiras e que poderá igualmente contribuir para financiar outros projetos.

Com esta medida, a empresa amplia o plano de ajuste iniciado há um ano para amortecer os efeitos das alterações legislativas no setor energético espanhol.

Recorde-se que o grupo fechou 2013 com perdas de 1.972 milhões de euros, devido aos ajustes na unidade de renováveis, como consequência da reforma energética em Espanha.

Segundo informou hoje a empresa, as contas de 2013 incluem ajustes no valor total de 2.200 milhões de euros, dos quais 1.675 milhões correspondem ao negócio das energias renováveis.