No início de abril, a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional advertiu que a Grécia estava "longe" de apresentar um programa coerente que pudesse ter acordo dos credores internacionais. Agora, Christine Lagarde faz notar que há "algum progresso". Mesmo assim, não chega.

"É preciso mais para que a Grécia fique outra vez em pé”.

Falando a partir de Amesterdão, à entrada da reunião informal dos ministros das Finanças da zona euro, a diretora-geral do FMI defendeu assim que Grécia precisa de fazer mais progressos para alcançar um acordo final no âmbito do cumprimento das condições do terceiro resgate.

O resgate tem de “andar sobre duas pernas: as reformas e a sustentabilidade da dívida”, acrescentou.

Lagarde ficará satisfeita se se revelarem “exatos” os novos dados divulgados pelo governo grego.

Há três dias, o Governo de Atenas disse que as negociações com credores entraram "na fase final para um acordo" sobre as reformas, isto com a equipa de Alexis Tsipras a exclui, neste momento, adotar as medidas adicionais previstas pela União Europeia e Fundo Monetário Internacional. Só que o FMI volta a deixar o aviso: quer mais.