O município da Figueira da Foz é o melhor classificado num ranking de transparência municipal onde a média das 308 câmaras é de apenas 33 pontos num máximo de 100, revelou esta quarta-feira a Transparência e Integridade Associação Cívica (TIAC), citada pela Lusa.

O estudo apresentado em Lisboa foi feito com base no levantamento da informação disponível nos websites dos 308 municípios, segundo 76 indicadores, agrupados em sete áreas.

Figueira da Foz, com 61 pontos, foi o município melhor classificado, seguido de Alfândega da Fé (59) e Batalha (58).

Calheta e Santa Cruz das Flores (ambas nos Açores) e Montalegre ocupam os últimos lugares, apenas com sete pontos.

Na lista dos dez melhores desempenhos estão também Abrantes, Ferreira do Zêzere, Aveiro, Oeiras, Vizela, Coimbra, Guimarães, Mirandela e Pombal.

Belmonte, Fornos de Algodres, Oleiros, Vinhais, Lajes das Flores, Soure, Corvo e Melgaço completam o fundo da tabela.

A média do desempenho dos municípios é de 33

pontos, «abaixo do que consideramos aceitável», disse Nuno Cruz, da TIAC, durante a apresentação dos dados.

A associação realça que os resultados permitem também avaliar que as câmaras maiores não têm necessariamente maior transparência.

O Porto, com 46 pontos, ocupa o 26.º lugar da lista e Lisboa, com 36 pontos, ficou em 115.º.

Os 76 indicadores analisados referem-se à informação sobre a organização, composição social e funcionamento do município, planos e relatórios, impostos, taxas, tarifas, preços e regulamentos, relação com a sociedade, contratação pública, transparência económico-financeira e transparência na área do urbanismo.

O estudo revela que a área mais crítica é a do Urbanismo, logo seguida da Contratação Pública, enquanto a que obteve melhor desempenho foi a Económico-financeira, com uma média de 67 pontos.