Há mais liderança empresarial no feminino em Portugal. Embora esteja ainda longe da percentagem de homens à frente das empresas, um estudo da Informa D&B concluiu que as mulheres lideravam 28,5% das empresas em Portugal no final do ano passado..

Intitulado "Presença feminina nas empresas em Portugal, esteve estudo teve como objetivo "traçar o retrato do panorama atual e avaliar a evolução dos principais indicadores entre 2011 e 2015".

"As mulheres representam 42,2% da força de trabalho das empresas em Portugal e a sua presença tem sido reforçada nos últimos anos também nos cargos de liderança e de gestão", refere o estudo, adiantando que "28,5% das empresas em Portugal são lideradas por mulheres, mais 5,2 pontos percentuais do que em 2011", cita a Lusa. 

Esta é uma "evolução positiva que se regista também nos lugares de gestão, em que as mulheres desempenham 34,1% das funções, uma melhoria de 2,2 pontos percentuais nos últimos cinco anos". A diretora-geral da Informa D&B, Teresa Cardoso de Menezes, é citada no comunicado da empresa:

"O estudo aponta para uma evolução positiva, ainda que lenta, em todos os indicadores de emprego, gestão e liderança femininas"

Presença nas empresas cotadas

Em cinco anos a presença feminina nos conselhos de administração das empresas da bolsa quase duplicou (mais 5 pontos percentuais), onde 10,7% dos cargos são ocupados por mulheres, revela ainda o mesmo estudo.

No entanto, a presença feminina "é mais expressiva" nas sociedades anónimas, onde menos de um quarto (21,4%) está nos órgãos de administração, embora se tenha registado um aumento da presença das mulheres em 3,1 pontos percentuais, mas conta com 15,6% (+2,4 pontos percentuais) dessas empresas a serem lideradas pelo género feminino.

Outra conclusão relevante é que há uma "maior proporção" de mulheres no topo das empresas mais jovens. É, de resto, nas 'startups' (com menos de um ano de existência) que há maior preponderância de gestão e lideranças femininas (35,2% e 32,3%, respetivamente).

"Desde 2011 que a presença de mulheres em funções de gestão e liderança em empresas com menos de cinco anos tem vindo a crescer de forma sustentada", refere ainda a diretora-geral.

A presença das mulheres nos cargos de gestão e liderança é tanto maior quanto menor for a empresa (em termos de volume de negócios), sendo nas microempresas (com faturação inferior a dois milhões de euros) que se encontram mais mulheres no topo: mais de um terço (34,9%) nos cargos de gestão e 29,2% nas funções de liderança.

Já nas grandes empresas (volume de negócios acima dos 50 milhões de euros), quase metade da força de trabalho (45,4%) são mulheres, mas "estão mais fracamente representadas no topo: ocupam 12,4% das posições de gestão e 8,0% das de liderança".

Liderança por setores

A maior concentração de mulheres líderes de empresas está nos serviços (36,5%), alojamento e restauração (32,5%) e retalho (32,4%), "áreas em que os cargos de gestão ocupados por pessoas do sexo feminino são também superiores à média do universo empresarial (34,1%), a que se juntam as atividades imobiliárias".

É na banca em que o género feminino "está mais equitativamente representado na força de trabalho (48,2%), embora isso não se traduza nos lugares do topo, onde menos de um décimo das empresas é liderado pelo sexo feminino.

Concluiu-se ainda que as empresas lideradas por mulheres tendem a privilegiar a diversidade de género nas estruturas de gestão.

"É nas empresas lideradas por mulheres que se encontram mais equipas de gestão mista (58,8% vs. 40,3% nas empresas lideradas por homens).

Por outro lado, "as empresas lideradas por homens revelam maior vocação exportadora, comparativamente às lideradas por mulheres (19,9% vs. 13,6% são exportadoras)".

Em 2014, "as exportações cresceram a um ritmo mais acentuado nas empresas com liderança feminina (+17,4%) quando comparadas com as lideradas pelo género masculino (+3,9%).