O ministro-adjunto e do Desenvolvimento Regional afirmou, esta quinta-feira, que Portugal está a vencer o desafio da competitividade, mas alertou para a necessidade de se manter a aposta na transformação do tecido económico, nos recursos naturais e produtos tradicionais.

«O grande desafio que Portugal tem pela frente é o da competitividade. Estamos a vencer esse desafio, como é visível pelo crescimento das exportações, pelo facto de no ano passado termos tido o primeiro excedente comercial em 70 anos, mas temos de continuar a aprofundar essa transformação do nosso tecido económico e reforçar a nossa competitividade», defendeu Miguel Poiares Maduro.

Além disso, o governante - que falava aos jornalistas em Coruche no fim da apresentação da VI edição da FICOR - Feira Internacional da Cortiça, que vai decorrer naquele concelho ribatejano entre 29 de maio e 01 de junho - sublinhou que a aposta «tem de ser numa competitividade inteligente», isto é, aquela «que parte da valorização dos recursos do próprio território» como forma de diferenciação e um valor acrescentado para o país.

«E, portanto, paradoxalmente, num mercado cada vez mais global, temos de apostar é numa economia, cuja competitividade parte daquilo que é local, daquilo que existe no território, acrescentado valor aos recursos naturais e aos produtos tradicionais, através da inovação, da capacidade de comercialização e da ciência. É dessa forma que vamos conseguir vencer esse desafio da competitividade», frisou Poiares Maduro.

O ministro pegou no exemplo da fileira da cortiça para demonstrar como é que um produto tradicional se conseguiu adaptar e inovar face aos novos desafios.

«A cortiça é um produto que tem demonstrado essa mesma capacidade de acrescentar valor. Um produto que é tradicional, mas que, através do designe, transferiu-se para novas áreas de negócio como a moda, o imobiliário ou a aeronáutica. É precisamente um desses exemplos que, juntando conhecimento, ciência e inovação, pudemos potenciar e transformar num valor em termos competitivos ainda maior para o nosso país», salientou o governante.

Portugal é o maior produtor de cortiça a nível mundial, sendo responsável por 65% das exportações mundiais. Coruche, que organiza este ano a sexta edição da FICOR, é considerada a capital mundial da cortiça.