O consumo acumulado de gasolina e gasóleo até maio manteve-se em mínimos desde 2012, apesar de subidas em cadeia no mês passado, revelou a Entidade Nacional do Mercado dos Combustíveis (ENMC).

No caso do gasóleo, o mês de maio assistiu ao consumo de 490.807 toneladas, 7,9% acima dos níveis registados em abril e o número mais elevado desde agosto do ano passado, ainda que o acumulado dos primeiros cinco meses do ano se tenha fixado em 2.198.987 de toneladas, ligeiramente abaixo dos níveis de 2013.

Em relação à gasolina, o consumo foi de 92.276 toneladas em maio, um valor 5,2% acima do de abril, mas, à semelhança do gasóleo, em termos acumulados, o total foi de 427.685 toneladas, em comparação às quase 440 mil toneladas dos primeiros cinco meses de 2013 e às 460 mil de igual período de 2012.

No que diz respeito ao gás de petróleo liquefeito (GPL) e, ao contrário da gasolina e do gasóleo, o mês de maio manteve a tendência de quebra que se faz sentir desde dezembro do ano passado neste combustível, ficando-se nas 40.320 toneladas consumidas por comparação às 41.309 de maio de 2013.

A recém criada ENMC, que sucede à extinta EGREP, vai ter como missão a definição de preços de referência para os combustíveis, que serão divulgados em Diário da República e na sua página da Internet.

Os preços de referência dos combustíveis serão fixados «no curto prazo» para «escrutinar os valores praticados» e «saber se existe liberdade de escolha por parte do cidadão», afirmou à Lusa, no mês passado, o ministro da Energia, Moreira da Silva.