Um estudo do Crédit Suisse dá a conhecer os número de ricos em Portugal e os resultados podem surpreender num país intervencionado pela troika nos últimos anos.

De acordo com o «Global Wealth Report 2014» daquela entidade bancária que o «Económico» cita, «60% de toda a riqueza está concentrada nos 10% mais ricos» e «quase 30% dos novos ricos portugueses surgiram nos últimos dois anos».

Para entrar neste «clube» exclusivo dos milionários é preciso ter «mais de um milhão de dólares de riqueza líquida, ou seja, ativos financeiros mais ativos imobiliários, menos dívida», como explica o jornal económico.

O relatório que avalia a riqueza no mundo e, consequentemente, as desigualdades, refere que Portugal se encaixa num caso de «desigualdade média», encontrando-se a meio da tabela. O «JN», que também cita o documento, indica que Portugal se encontra, no que às desigualdades diz respeito, a par de países como Espanha, Reino Unido, França e Grécia.

O «The Guardian» acrescenta que, em termos globais, um por cento da população mundial concentra quase metade da riqueza do mundo. Muitos dos novos ricos mundiais são chineses.

O relatório, na sua análise às disparidades, concluem que as políticas antipobreza têm vindo a falar nos últimos cem anos.