O presidente executivo da Volkswagen nos Estados Unidos admite que soube no início de 2014 da manipulação de dados sobre emissões dos veículos do grupo.

Numa revelação feita num testemunho escrito, que vai ser apresentado esta quinta-feira na comissão da Casa Branca que está a investigar o escândalo, Michael Horne disse que tomou conhecimento da situação depois de um estudo publicado pela Universidade de West Virginia.

“Fui informado que os regulamentos da Agência de Proteção Ambiental incluíam várias multas por incumprimento dos tetos das emissões e que as agências podiam fazer testes de engenharia que poderiam incluir testes ou análises a dispositivos de manipulação”


No documento, o responsável acrescenta que só a 3 de setembro a Volkswagen informou as autoridades norte-americanas acerca desse dispositivo de manipulação nos carros a gasóleo entre 2009 e 2015.

“Quebrámos a confiança dos nossos consumidores, empregados, público e reguladores”


A Volkswagen emprega mais de 6.000 pessoas só nos EUA.