A circulação no Metropolitano de Lisboa decorreu normalmente durante a manhã desta quinta-feira, apesar do pré-aviso de greve, afirmou fonte da empresa.

«Foi um dia perfeitamente normal de funcionamento. As quatro linhas têm estado a funcionar na plenitude» disse a mesma fonte.

De acordo com a empresa, «a única situação que se registou» foi na linha verde, que liga o Cais do Sodré a Telheiras, onde a circulação, em vez de se iniciar às 06:30, começou às 07:12.

O Metropolitano de Lisboa revelou na terça-feira que o tribunal arbitral decretou serviços mínimos, por considerar que deve ser assegurada a circulação de um quarto das composições que habitualmente transportam passageiros.

A Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações manteve a greve desta quinta-feira no Metro de Lisboa, mas, face a esta decisão, apelou aos trabalhadores para cumprirem o seu horário de trabalho por entender que de outra forma não estariam reunidas as necessárias condições de circulação dos comboios em segurança.

Os trabalhadores responderam ao apelo dos sindicatos e foram cumprir o seu horário de trabalho «na esmagadora maioria», afirmou esta manhã manhã a sindicalista Anabela Carvalheira, da Fectrans.

«Os trabalhadores têm respondido ao apelo das organizações sindicais, porque, não havendo condições para circular em serviços mínimos, estão a cumprir o seu horário de trabalho na sua esmagadora maioria», disse a sindicalista.

De acordo com a responsável, os trabalhadores do Metropolitano querem demostrar a «importância da luta pelos seus direitos», afirmando que esta é também «uma luta pelos utentes», bem como pela manutenção da empresa «na esfera pública, como um transporte de qualidade».

A greve foi marcada contra a concessão da empresa a privados - o concurso de concessão deverá ser lançado este mês pelo Governo – e coincide com o “Dia Nacional de Indignação, Ação e Luta” marcado pela central sindical CGTP, em defesa da reposição dos direitos laborais e contra as políticas do executivo.