As exportações do setor metalúrgico e metalomecânico português mantiveram em janeiro a tendência de subida, aumentando 16,2% em termos homólogos para 1.169 milhões de euros e completando o 12.º mês consecutivo de crescimento, divulgou hoje a associação setorial.

Em comunicado, a Associação dos Industriais Metalúrgicos, Metalomecânicos e Afins de Portugal (AIMMAP) destaca que a evolução positiva de janeiro «vem confirmar a tendência de crescimento homólogo que se verificou ao longo de todo o ano» de 2014.

Segundo a associação, a Europa continua a ser o principal destino das exportações do setor, representando 70% das vendas para o exterior, mas mercados como Angola, China, EUA, Marrocos, Moçambique e Colômbia «começam a ter um peso cada vez mais relevante».

«Em 2015 a nossa aposta passa pela expansão para mercados externos de alto valor acrescentado e complexidade tecnológica e por uma aposta na substituição gradual das importações de bens e serviços da área da metalurgia e metalomecânica. O nosso objetivo é o de reforçar a oferta de produtos com uma boa relação qualidade/preço e ‘time to market,’ que permitam, não só às empresas mas também ao Estado, a aquisição em Portugal, por oposição às compras ao exterior», explica o vice-presidente da AIMMAP, Rafael Campos Pereira.


Nos últimos quatro anos, entre 2010 a 2014, as exportações do setor metalúrgico e metalomecânico português aumentaram 30%, assumindo-o como uma área com «um peso cada vez mais relevante na economia portuguesa» e «um pilar fundamental para o crescimento económico e industrial nacional, contribuindo para o desenvolvimento e difusão de novas tecnologias», lê-se no comunicado.

Com cerca de 15.000 empresas e 200.000 colaboradores, o setor abrange vários subsetores que englobam atividades tão diferentes como a metalurgia, a cutelaria e louça metálica, máquinas e equipamentos, produtos metálicos, equipamento de transporte e fabrico de peças técnicas utilizadas no setor automóvel, na aeronáutica, na indústria nuclear, entre outras.