A União Europeia vai elaborar até junho um plano de ação destinado a reduzir a sua dependência energética, em particular da Rússia, anunciou esta sexta-feira o presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy.

«Os dirigentes da UE pediram à Comissão Europeia um plano de ação concreto para o mês de junho», indicou Van Rompuy no final da cimeira europeia, sublinhando que é necessário «acelerar o ritmo para reduzir a dependência, particularmente da Rússia».

O responsável afirmou que esta questão é «particularmente pertinente no atual contexto», frisando que se a UE não agir, a sua dependência em relação ao exterior atingirá os 80 por cento até 2035, no que respeita ao consumo de gás e petróleo.

As importações de gás russo representam 27 por cento do consumo de gás da UE.

«Sessenta e quatro anos após a criação da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA), devemos evoluir para uma União da Energia», defendeu Van Rompuy.

O presidente do Conselho Europeu referiu a necessidade de redução do consumo, diversificação das fontes, desenvolvimento das energias renováveis e de melhores ligações na Europa, reclamadas, nomeadamente, por Portugal e Espanha, e sugeriu também a compra de gás de xisto americano.