Os resultados da REN-Redes Energéticas Nacionais dos 9-meses de 2014 saíram em linha com o esperado, segundo os analistas, que viram como positiva a redução do custo da dívida, mas estão focados nos riscos regulatórios em Portugal.

«Os resultados dos 9-meses (…) foram neutrais, tendo ficado em linha com as previsões do mercado», segundo Helena Barbosa, analista do Caixa Banco de Investimento (BI), à Reuters.

O lucro da REN caiu 4,9% em termos homólogos, para 84,9 milhões de euros (ME), penalizado pela taxa extraordinária sobre ativos de energia imposta pelo Governo.

«Durante a conference call de hoje o principal foco deverá ser o novo período regulatório e a manutenção da taxa especial sobre o setor energético durante o próximo ano», referiu Helena Barbosa.

Em declarações à Reuters, o CFO da REN disse ontem que o enquadramento regulatório final para a energia em Portugal será conhecido apenas em Dezembro, mas que as medidas do Orçamento de Estado dificultarão o crescimento dos lucros em 2015.

A contribuição especial sobre o sector energético relativa a 2014 custou à REN 18,8 ME. No conjunto, os impostos pagos pela REN aumentaram 38% para 58,9 ME, de 42,6 ME no período homólogo.

O Governo já anunciou que vai manter por mais um ano um imposto extraordinário ao sector energético, num pacote de medidas de 1.400 ME, ou 0,8% do Produto Interno Bruto (PIB).