O Fundo Monetário Internacional (FMI) saudou esta quarta-feira a decisão da China de reformar o seu sistema cambial como “um bom passo” para a abertura e flexibilização do mercado de divisas da segunda economia mundial.

Em comunicado enviado à agência Efe, o FMI afirma que o novo mecanismo para determinar a paridade do yuan anunciado pelo Banco Popular da China – banco central – “parece um bom passo”, já que “deve permitir que as forças do mercado desempenhem um papel mais importante para determinar a taxa de câmbio”.

A instituição financeira dirigida por Christine Lagarde adverte, contudo, que o “exato impacto” vai depender da forma como será aplicado o novo mecanismo.

O Banco Central da China desvalorizou o yuan em 1,9%, o que representa a maior desvalorização da moeda em 20 anos no país. 
  
A decisão, que foi tomada na manhã de terça-feira, é mais um esforço das autoridades chinesas para combater a desaceleração da economia. 
  
Até ao momento, a maior desvalorização imposta pelo Banco Central Chinês tinha sido de 0,16%. 
  
Entre os dados desapontantes estão as exportações, que caíram mais de 8% em julho e os preços nas vendas industriais, que atingiram mínimos de agosto de 2009. 

A acrescentar a isto, a segunda maior economia do mundo deverá registar um crescimento de 7% este ano, o mais baixo em 25 anos.