Os investidores estrangeiros ficaram com 89,5% da emissão de dívida feita esta segunda-feira pelo Banco Espírito Santo (BES), no montante de 750 milhões de euros, tendo o cupão (juro nominal) sido fixado nos 2,625%, segundo fonte ligada à operação.

Na alocação final, ao nível da distribuição geográfica, a fatia de 'leão' ficou nas mãos de investidores europeus, com a Itália à cabeça (21%), seguida pelo Reino Unido (20%), Alemanha (11%), França (11%) e Espanha (7%), avançou à agência Lusa a mesma fonte.

Os restantes 10,5% dos títulos de dívida emitidos pelo BES foram adquiridos por investidores portugueses.

No que toca ao tipo de investidor, as gestoras de ativos arrecadaram 67% da emissão, seguidas pelos bancos (13%), pelas seguradoras (11%) e pelos hedge funds [fundos de investimento de alto risco] (6%).

O BES concluiu hoje uma emissão de dívida com maturidade de três anos, no montante de 750 milhões de euros, tendo a procura quase duplicado a oferta disponível, disse à Lusa fonte do banco.

A entidade liderada por Ricardo Salgado pagou um spread de 208 pontos base, mais a taxa mid-swap, pelo que o cupão da emissão foi de 2,625%, tendo a procura alcançado os 1,4 mil milhões de euros, quase o dobro da oferta, segundo a mesma fonte.

No total, participaram na emissão de dívida sénior do BES cerca de 150 investidores, numa operação conduzida pelo BES Investimento, o Deutsche Bank, o HSBC, o JP Morgan e o Société Générale.