A operadora brasileira Oi, que está em processo de combinação de negócios com a PT SGPS, afirmou esta segunda-feira que vai pedir esclarecimentos ao seu antigo presidente executivo, Zeinal Bava, sobre os factos apontados no relatório da PriceWaterhouseCoopers.

A 09 de janeiro foi divulgado o relatório de auditoria da PwC sobre as aplicações de tesouraria da PT SGPS em entidades do Grupo Espírito Santo, nomeadamente na Rioforte.

Em comunicado, a Oi «reitera que não foi informada das decisões relativas às aplicações realizadas na Rioforte, que foram implementadas anteriormente à subscrição e à integralização do capital da Oi pela PT SGPS, ocorridas no final de abril e início de maio de 2014, respetivamente».

Sobre as referências feitas pela PwC sobre Zeinal Bava, na altura presidente executivo da Oi, a empresa «esclarece que solicitará esclarecimentos ao sr. Zeinal Bava a respeito da veracidade dos factos descritos pela PwC».

Acrescenta que tem vindo a centrar «os seus esforços no apoio à apuração dos factos e que tomará as medidas pertinentes para esclarecimento» dos mesmos, apontando que «adotou todas as cautelas e agiu com elevados padrões de diligência para preservar a companhia e seus acionistas».