A bolsa de Lisboa encerrou a sessão em queda, apesar de ter chegado a negociar grande parte do dia em alta. O PSI20 perdeu 0,25% para 6.231,81 pontos, penalizado sobretudo pela PT.

A operadora fechou a perder 3,01% para 3,475 euros. A CGD vendeu esta quinta-feira a posição de 6,11% que detinha no capital da PT, por 190,6 milhões de euros, ou 1,48 euros por ação. As ações da empresa estiveram suspensas até às 15 horas. O valor de fecho fica assim apenas ligeiramente abaixo do valor da operação.

Também em queda fechou a Jerónimo Martins, que recuou 2,13% para 14,51 euros, e, no mesmo setor, a Sonae, que perdeu 0,38% para 1,05 euros.

Dos pesos pesados, nota no vermelho também para a Galp, que fechou com uma queda ligeira de 0,24% para 12,47 euros. A petrolífera apresenta resultados dos primeiros nove meses do ano na próxima segunda-feira.

No verde, os principais destaques vão para a banca. O BPI avançou 3,45% para 1,05 euros e o BCP 1,94% para 10,5 cêntimos.

O BES, principal acionista da PT, também fechou em alta de 0,43% para 0,93 euros. O banco apresenta amanhã os resultados dos primeiros nove meses do ano, sendo que os analistas apontam para prejuízos de 299 milhões de euros até setembro. O BES foi também notícia hoje por ter assinado com o Banco Europeu de Investimento (BEI) um acordo para financiamento de 200 milhões de euros, destinado a apoiar as pequenas e médias empresas (PME).

Nota ainda no verde para a EDP, que subiu 0,19% para 2,68 euros, e para a Cofina, que voltou a liderar os ganhos. As ações da empresa têm registado fortes oscilações nas últimas semanas, sem notícias que o justifiquem, o que leva os analistas a atribuírem os ganhos a especulação. A Cofina subiu 3,96% para 55 cêntimos, com quase 2,7 milhões de ações negociadas.

No resto da Europa, os principais mercados fecharam em alta, liderados por Milão, que trepou 1,28%. Madrid ganhou 0,89% e Frankfurt 0,68%.