O PSI20 terminou esta sexta-feira a sessão a subir 2,23% para 6.768,90 pontos, o valor mais alto desde agosto de 2011, impulsionado pela subida de 9,05% da Portugal Telecom e de 8,21% do BES.

Entre as 20 cotadas do principal índice da bolsa portuguesa, 18 subiram e duas (BCP e Sonaecom) registaram quedas, numa sessão em que Lisboa liderou os ganhos entre as praças europeias de referência.

A maior subida pertenceu à PT, que avançou 9,05% para 3,41 euros, seguida pelo BES, que ganhou 8,21% para 1,13 euros.

Ainda nas telecomunicações, a Sonaecom caiu 0,50% para 2,60 euros e a ZON OPTIMUS cresceu 0,36% para 5,50 euros.

A Sonae Indústria protagonizou uma das maiores subidas da sessão, ao avançar 4,75% para 0,62 euros, seguindo-se a Cofina, que cresceu 3,92% para 0,53 euros, o Banif, que progrediu 3,77% para 0,01 euros, e a Altri, que ganhou 3,44% para 2,35 euros.

Na banca, o BPI ganhou 1,12% para 1,27 euros, o Espírito Santo Financial Group subiu 0,21% para 4,85 euros, enquanto o BCP caiu 1,35% para 0,18 euros.

Na energia, a EDP subiu 1,44% para 2,68 euros, a EDP Renováveis cresceu 0,85% para 3,90 euros, a Galp progrediu 0,89% para 11,87 euros e a REN ganhou 1,60% para 2,28 euros.

O peso pesado Jerónimo Martins subiu 1,35% para 14,25 euros, a Mota-Engil ganhou 1,92% para 4,58 euros, a Portucel cresceu 1,02% para 2,98 euros, a Semapa avançou 2,12% para 8,78 euros e a Sonae valorizou 0,18% para 1,09 euros.

«Esta semana foi mais curta que o habitual e acabou por ser fraca para os mercados de ações», disse à Lusa Ramiro Loureiro, analista de mercados Millennium Investment Banking.

Ramiro Loureiro destacou que, no plano macroeconómico, «a confirmação de que a atividade industrial na zona euro acelerou o ritmo de expansão em dezembro, contrastou com o abrandamento no crescimento na indústria dos Estados Unidos e China, onde a atividade nos serviços também desacelerou».