O índice de referência nacional, o índice PSI20, acompanhou o movimento de recuperação dos pares europeus com a divulgação de resultados empresariais robustos nos Estados Unidos, encerrando a subir 0,26%, suportado no disparo de 3% da Sonae.

O Barclays disse esta terça-feira que os resultados do terceiro trimestre da maior retalhista de Portugal deverão mostrar pressão no alimentar mas que a empresa ganhará quota neste segmento e que o segmento especializado será rentável em 2014.

Também a apoiar o índice, que fechou com sete dos 18 títulos em alta, a EDP avançou 0,6%, a EDPR 2% e o BPI 2,85%.

A NOS avançou 1,08% e a Jerónimo Martins 0,4%.

Em queda, o Millennium bcp recuou 2,22%, a Impresa 11,56%.

«A ação do BCP preserva a tendência descendente, com os investidores a reduzirem a exposição ao título antes da importante assembleia-geral de acionistas, agendada para amanhã, que vai decidir a adesão ao regime de ativos por impostos diferidos», afirmou Steven Santos, gestor da corretora XTB Portugal, citado pela Reuters.

Sobre a Impresa, Emanuel Vieira, operador da Golden Broker no Porto, referiu que «é um título habitualmente com pouca liquidez, a Impresa é o tipo de títulos em que basta haver um receio mais geral sobre o PSI20 e um conjunto de vendas mais abruptas, para causar estes movimentos».

A Portugal Telecom fechou a recuar 0,86%.

Por fim, na energia, a Galp perdeu 0,17%, para 11,66 euros.