A Bolsa de Lisboa volta a negociar abaixo da linha de água, depois de ontem ter conseguido interromper aquela que seria a sexta sessão consecutiva de perdas. Hoje, a descida é menor que na semana passada, ainda assim o PSI-20 derrapa 0,36%, para os 5.216,11 pontos.

A PT é a cotada que mais pressiona, ao tombar 2,4%, com as ações a valer 1,36 euros. Ontem o HSBC cortou o preço-alvo das ações da empresa para 1,25 euros e considerou que a PT tem apenas 25% de hipótese de vir a recuperar a dívida de 900 milhões da Rioforte.

No setor da banca, o sentimento é misto, o que ajuda a que a queda do índice lisboeta não seja mais acentuada. O BCP cai 0,7%, fixando o preço das ações um pouco abaixo dos 0,9 euros. Já o BPI sobe 0,3%, nos 1,44 euros.

No setor da energia, a Galp ajuda a travar maiores perdas, ao subir 0,4%, nos 1,69 euros. Já a EDP perde ligeiros 0,1%, nos 3,26 euros por ação.

Na Europa, o sentimento dos mercados também é negativo, mas as perdas estão bem abaixo de 1%. As praças aguardam dados sobre o sentimento económico da Alemanha, e também dados sobre a produção industrial na Europa.

Paris cai 0,6%, Milão desce 0,5%, Londres derrapa 0,2% e Madrid e Frankfurt caem ligeiros 0,1%.