A bolsa de Lisboa fechou a sessão no verde, invertendo a tendência de abertura que se verificou durante a maior parte da sessão. O PSI-20 encerrou a ganhar 0,13%, nos 6.340,20 pontos, um resultado positivo pela sétima vez consecutiva.

A contribuir para o fecho em alta esteve a Cofina, que ganhou 5,05% para os 0,56 euros e a ZON, que subiu 4,27% para 5,15 euros. Nos pesos pesados, a EDP subiu 1,34%, para os 2,65 euros, enquanto as ações da Galp encerraram a subir 0,44%, com as ações a negociar a 12,63 euros.

O sector da banca e da energia contribuíram para os ganhos tímidos da bolsa de Lisboa: destaque para o Banif, que perdeu 9,09%, com cada ação a custar 0,01 euros pela primeira vez na sua história. Esta queda explica-se pela notícia divulgada esta quinta-feira de que o banco BIC não tem interesse em investir no Banif. O BES derrapou 1,43%, para os 1,03 euros, enquanto o BCP perdeu 0,9% para os 0,11 euros por ação.

Também a PT encerrou no vermelho, no dia em que o JPMorgan baixou o preço-alvo da empresa para 2,9 euros. A telefónica perdeu 0,25%, com as acções a valer 3,66 euros.

Na Europa, as bolsas encerraram mistas, apesar de os Estados Unidos terem alcançado esta quarta-feira um importante acordo que põe fim à crise política que assolava o país. A bolsa de Madrid fechou a ganhar 0,39%, enquanto Londres subiu no 0,07%. Já o índice francês encerrou a perder 0,10%, à semelhança de Berlim, que fechou a descer 0,38%. Também a bolsa italiana registou perdas de 0,4%.