O PSI-20 abriu a primeira sessão da semana em alta ligeira, entretanto já esteve abaixo da linha de água mas recuperou, subindo agora 0,22% nos 5.810,37 pontos, neste que é o primeiro dia em que o BES não faz parte das cotadas na bolsa de Lisboa.

Ontem à noite o Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, apresentou a solução encontrada para o BES, que passa por uma injeção de capital de quase 5 mil milhões de euros no Novo Banco, o chamado «banco bom», que fica com o património e os ativos não tóxicos. O objetivo é vendê-lo até ao final do ano.

Recorde-se que em apenas 2 dias o BES perdeu 1200 milhões de euros em capitalização bolsista. A CMVM tinha suspendido a negociação das ações uma hora antes do fecho de mercado na última sexta-feira, à espera de informação relevante.

Como a Espírito Santo Financial Group também já tinha sido expulsa do PSI-20, a bolsa de Lisboa passa a funcionar apenas com 18 cotadas, uma situação que não é inédita.

E esta saída do BES está a ter um impacto positivo na banca, pelo menos para já: o BCP trepa 6,4%, fixando o preço das ações em 0,11 euros. Já o BPI avança 0,4%, nos 1,44 euros por ação.

A pressionar o índice está a PT, que desce 2,1%, com cada ação a valer 1,51 euros. Também a Galp deprecia 1,4%, nos 12,87 euros.

Lá por fora as principais praças europeias negoceiam em terreno positivo: Frankfurt e Londres sobem 0,2%, Madrid ganha 0,3%, Paris sobe 0,4% e Milão ganha 0,5%.