A Bolsa de Lisboa encerrou a sessão a tombar 4,47%, nos 4.460,63 pontos, a imitar as fortes quedas que se estenderam a toda a Europa e a tocar mínimos de três anos.

A pior prestação foi a de Milão, que derrapou 5,6%, seguida de Madrid, com uma queda de 4,6%. Paris desceu 4,1%, Frankfurt perdeu 2,6% e Londres deslizou 2,3%.

Em Lisboa, as fortes quedas não discriminaram setores, mas foi a Galp que mais perdeu, 6,2%, nos 9,60 euros. Seguiu-se a Sonae, com uma descida de 5,9%, para os 0,88 euros.

No setor da banca, destaque para o tombo de 5,7% do BPI, com os títulos a cotar a 0,94 euros. O BCP perdeu 4%, para os 0,03 euros por ação.

No verde, apenas a Teixeira Duarte fechou a ganhar, 6,9%, nos 0,28 euros.

Juros caem no fecho da sessão

No mercado secundário, os juros da dívida pública voltaram a atingir máximos, ao ultrapassar os 4% . As obrigações do Tesouro na maturidade a 10 anos encerraram a sessão depois de uma queda ligeira, nos 3,909%. As subidas não são exclusivas de Portugal, aliás, têm subido um pouco por toda a Europa, refletindo a instabilidade dos mercados.