Portugal colocou 1.007 milhões de euros (ME) de dívida a 5 e 15 anos num leilão, com a yield da maturidade mais curta a descer face a colocação de há duas semanas, e em linha com o mercado secundário na mais longa, capitalizando o reforço de estímulos monetários do BCE e após o país ter aprovado o Orçamento.

De acordo com a Reuters, a taxa a 5 anos fixou-se em 1,84%, face aos 2,0326% pagos a 9 de março.

Na maturidade a 15 anos, a taxa foi 3,362%, que compara com os 3,4% em que as obrigações do tesouro a 15 anos negoceiam em mercado secundário. Não há um leilão recente comparável.

No mercado de referência a 10 anos em mercado secundário, a yield segue nos 2,8%, bem abaixo do máximo de 2016 nos 4,4% tocados a 11 de Fevereiro, beneficiando de um reforço da 'bazuca' de estímulos monetários do Banco Central Europeu.

Nesse pico de Fevereiro, a perceção que a execução do orçamento tem elevados riscos, somado ao contexto geral de aversão ao risco, motivou a subida abrupta das yields.

Hoje, o Tesouro colocou um pouco mais que o montante indicativo de até 1.000 ME de bonds.