Portugal colocou esta quarta-feira o montante máximo previsto de 1.250 milhões de euros (ME) em Bilhetes do Tesouro (BT) a 3 e 12 meses, no primeiro leilão de 2014, com uma sólida procura e uma forte descida das taxas, à boleia da acentuada queda do prémio de risco do país, anunciou o IGCP, escreve a Reuters.

Pires de Lima admite estar optimista, mas não eufórico

O Instituto de Gestão do Crédito Público (IGCP) referiu que a taxa média ponderada da colocação de BT a 3 meses caiu para 0,495% de 1,076% no leilão a 20 de novembro último, tendo a taxa da emissão a 12 meses descido para 0,869% de 1,493% num leilão na mesma data.

A procura de BT a 3 meses excedeu a oferta em 4,71 vezes face a 3,0 vezes no leilão anterior, tendo a colocação a 12 meses registado uma procura de 2,26 vezes versus 2,0 vezes.

O montante indicativo global era de 1.000 - 1.250 ME.

Esta manhã, o IGCP anunciou que Portugal vai regressar regularmente aos leilões de Obrigações do Tesouro (OTs) em 2014.

No seu plano de financiamento para o ano, o IGCP disse que as necessidades de financiamento líquidas do ano são de 11.800 ME e que o range para a emissão de obrigações é entre 11.000-13.000 ME. O país não emite OTs regularmente desde o pedido de resgate de 2011.