A Arábia Saudita está, de forma discreta, a avisar os agentes do mercado que está «confortável» com a descida do preço do petróleo durante um período prolongado de tempo.

Note-se que esta é uma mudança de política drástica e que pode ter como objetivo desacelerar a expansão de produtores rivais, incluindo os que operam na região do shale gas (gás não convencional) nos EUA e em águas ultraprofundas.

Alguns membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), incluindo a Venezuela, estão a pedir um corte urgente na produção para que os preços do petróleo subam novamente acima da barreira dos 100 dólares por barril.

No entanto, a Arábia Saudita passou recentemente uma mensagem diferente em encontros privados com investidores do mercado petrolífero e analistas: o país, maior produtor da OPEP, está disposto a aceitar preços abaixo dos 90 dólares, talvez até abaixo dos 80 dólares, até um ou dois anos, segundo fontes que foram informadas em conversas recentes, noticia a Reuters.

As conversas, algumas das quais ocorreram em Nova Iorque a semana passada, dão um sinal claro de que a Arábia Saudita está a abandonar a velha estratégia de manter os preços do petróleo Brent perto dos 100 dólares por barril, com o objetivo de manter a «fatia de mercado» nos próximos anos.