A yield das Obrigações do Tesouro (OT) portuguesas a 10 anos cai 3 pontos base (pb), em linha com as equivalentes europeias, pressionadas por dados desapontantes da inflação na zona euro, com a meta do Banco Central Europeu vista pelo mercado como cada vez mais desafiante.

"Os mercados de obrigações soberanas europeias estão a beneficiar de um ambiente em que as expectativas sobre a inflação decrescem, e que se juntam aos persistentes receios sobre os mercados emergentes", disse Michael Lester, estrategista de taxas no Commerzbank, citado pela Reuters.

A taxa das OT benchmark portuguesas a 10 anos cai para 2,50%, a equivalente espanhol alivia 6 pb para 1,65% e a italiana 5 pb para 1,46%.

A yield do Bund alemão a 10 anos, principal referência da dívida da zona euro, recua 5 pb para 0,498%, caindo abaixo dos 0,50% pela primeira vez desde 6 de Dezembro, quando o BCE cortou as taxas de depósito e estendeu o programa de compra de dívida soberana, para ajudar a atingir uma meta de perto de 2% no médio prazo.

No entanto, segundo dados divulgados ontem, a inflação na zona euro permaneceu inalterada nos 0,2% em Dezembro, inferior a uma estimativa de 0,3%.

Os receios sobre o abrandamento da economia chinesa e a queda do preço do petróleo, com o do barril de Brent a tocar hoje em mínimos de 11 anos, estão a contribuir para limitar as perspetivas sobre a inflação.

Segundo analistas, o anuncio Coreia do Norte que está testou com sucesso uma bomba de hidrógenio está a diminuir o apetite pelo risco, levando os investidores para o mercado de dívida soberana.