A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) manteve inalterada a estimativa da procura de petróleo para 2013 e 2014, sublinhando uma melhoria na Europa e na América do Norte, segundo o relatório mensal divulgado esta quinta-feira.

O cartel, responsável pelo fornecimento de cerca de 35% do consumo de petróleo mundial, prevê para este ano uma procura de 89,74 milhões de barris por dia, o mesmo valor previsto no relatório de setembro.

Para 2014, a OPEP prevê uma procura de 90,78 milhões de barris por dia, um valor ligeiramente superior ao previsto em setembro (90,77 milhões de barris por dia).

«Como no relatório precedente, as principais modificações surgem dos países da OCDE», indicou a OPEP, que reviu em alta a estimativa da procura da Europa e da América do Norte.

Apesar de ver sinais encorajadores na América do Norte e, nomeadamente, nos Estados Unidos (boas estatísticas das vendas de veículos, confiança dos consumidores, melhoria dos números do desemprego), a OPEP afirma que «o impasse em curso sobre o orçamento federal pode danificar a atual situação favorável da economia norte-americana e ter impactos na economia mundial», cita a Lusa.

Na Europa, «globalmente, a procura de petróleo continua a contrair-se face ao ano passado, a um ritmo talvez mais fraco que nos últimos meses, apesar de uma certa melhoria da economia, agora que a região saiu oficialmente da recessão», refere o relatório mensal da OCDE.

O consumo de petróleo nos quatro principais países europeus (Alemanha, França, Itália e Reino Unido) «manteve-se positiva» em agosto, refere ainda a organização.

Em 2014, a procura mundial de petróleo deverá aumentar em 1,04 milhões de barris por dia, devido principalmente à China e ao Médio Oriente.