O presidente do Banco Comercial Português (BCP), Nuno Amado, subscreveu mais de 1,8 milhões de ações na sequência do aumento de capital do banco, tendo sido acompanhado na operação por alguns dos administradores executivos.

Com a aquisição destas ações, Nuno Amado passa a deter mais de 2,8 milhões de ações, segundo refere um comunicado divulgado esta sexta-feira pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O administrador financeiro do BCP, Miguel Bragança, que não tinha nenhuma ação do banco, subscreveu mais de 1,7 milhões de ações.

Entre os administradores executivos do banco, Luís Pereira Coutinho, subscreveu mais de 1,4 milhões de ações, para um total de 2,2 milhões de ações.

José Jacinto Iglésias Soares adquiriu 672 mil ações, passando para uma posição final que ultrapassa um milhão de ações.

Miguel Maya subscreveu 490 mil ações, passando a deter mais de um milhão.

A operação de reforço de capital do BCP, cujos resultados foram divulgados na terça-feira da semana passada, foi totalmente subscrita, contando com uma procura de 2,73 mil milhões de euros, face à oferta de 2,25 mil milhões de euros (ou seja, 125,6% da oferta), fixando-se o nível de subscrição nos 98,8%, acima do último aumento de capital do BCP, realizado em outubro de 2012.