Converter as aplicações realizadas em títulos de dívida do Grupo Espírito Santo em depósitos a prazo no Novo Banco é uma das propostas apresentadas pela direção do banco para reembolsar os clientes de retalho que investiram centenas de milhões em papel comercial da Rioforte. Esta e outras soluções estarão a ser avaliadas pelo supervisor, revela o Jornal de Negócios.

O Novo Banco, criado há um mês, não assumiu publicamente que garantiria o reembolso destes títulos, mas num comunicado de 14 de agosto afirmou-se determinado em comprar aos clientes de retalho do Novo Banco o papel comercial da ESI e da Rioforte.

Esta proposta procura defender a liquidez do banco: A conversão do papel comercial da ESI e da Rioforte em depósitos com maturidades de seis a 12 meses dará aos clientes a garantia de recuperação dos fundos aplicados nesses títulos, mas impedirá que esses recursos saiam de imediato do Novo Banco.