Foi uma segunda-feira negra para a Bolsa de Lisboa, por causa da queda acentuada das cotações da Mota-Engil e dos títulos da banca. O índice PSI 20 desvalorizou 3,71%, para 4653 pontos, e está já ao nível de meados de 2012.

De manhã, a Mota-Engil chegou a perder 21,6% do seu valor, tendo levado à suspensão das negociações por parte da comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Os investidores apontam a queda dos preços do petróleo e o seu impacto em Angola, um dos principais mercados da construtora, como as razões para a desvalorização, mas a empresa, em comunicado, diz não haver nada que justifique a queda acentuada das cotações.

Nessa nota, a Mota-Engil diz que o grupo teve capacidade de se adaptar aos impactos da crise mundial e acrescenta que, em novembro, o volume de negócios na América Latina ultrapassou, pela primeira vez, o registado em África.

A empresa acrescenta ainda que  que, no quarto trimestre de 2015, conseguiu uma “redução assinalável” dos níveis de endividamento, considerado elevado pelos investidores.

“O grupo tem implementado a política de refinanciamento da sua dívida em linha com o seu plano, com várias operações concluídas durante o quatro trimestre de 2015 e já durante os primeiros dias de 2016, política essa que tem como objetivos centaris a redução do custo e aumento da maturidade média”, diz a empresa.  

As ações da Mota-Engil terminaram o dia com uma queda de 18,585%, a valer 1,1740 euros por ação.
 

Banca puxa índice PSI 20


A contribuir para o mau desempenho do índice PSI 20 estiveram também os títulos da banca, a reagir a notícias que dão conta de dúvidas levantadas pelo Banco Central Europeu sobre os elevados níveis de crédito malparado num conjunto de bancos da zona euro, em particular dos países da periferia, como Portugal, Grécia, Espanha e Itália.

O Millennium BCP desvalorizou 7,765%, para 0,0392 euros e o BPI caiu 5,539% para 0,9550 euros por ação acompanhando a queda dos seus pares nestes países.

Nota ainda para as quedas acentuadas da Sonae (7,482%), Pharol (7,563%) e Portucel (5,847%).