A Mota-Engil informou, esta sexta-feira, que interrompeu a entrada da Mota-Engil África na London Stock Exchange devido «à recente e significativa deterioração das condições de mercado e do consequente resultado no sentimento dos investidores».

Em comunicado, a Mota-Engil refere que «os seus acionistas e assessores na operação decidiram interromper, neste momento,

o processo anunciado de realização da oferta pública inicial da Mota-Engil Africa».

A empresa adianta que «apesar da elevada qualidade institucional das ordens recebidas por parte de potenciais investidores dentro do intervalo do preço definido, a procura agregada não assegurava as condições para a cotação e consequente negociação do título em bolsa».

Segundo o comunicado, a Mota-Engil Africa reuniu com investidores na Europa, Reino Unido, EUA e Africa ao longo das últimas duas semanas, tendo alcançado «uma elevada concretização dessas reuniões em ordens de compra, refletindo a qualidade e o futuro do negócio no mercado africano».

O presidente executivo da construtora, Gonçalo Moura Martins, tinha afirmado acreditar que a dispersão de capital da Mota-Engil África na Bolsa de Londres em meados de julho seria uma oportunidade para os fundos de investimento em mercados emergentes.

No entanto, adianta o comunicado, «os acontecimentos e a performance dos mercados financeiros nas últimas 48 horas levaram a que a dimensão das ordens tivesse um impacto negativo».

A Mota Engil assegura ainda que «mantém o seu total compromisso de modo a alcançar, com sucesso, a oferta pública inicial da Mota-Engil Africa».

A 26 de junho, a Mota-Engil tinha ainda referido que se esperava que «a admissão se tornasse efetiva e que a negociação incondicional das ações na London Stock Exchange começasse às 8:00 (hora de Londres) do dia 16 de julho 2014».