Os quatro principais bancos portugueses (Banco BPI, BCP, BES e CGD) vão continuar pressionados pela fraca qualidade dos ativos e pela baixa rentabilidade em 2014, apesar de o país ter regressado a um «muito modesto» crescimento económico, segundo a Moodys.

O relatório elaborado pela agência de notação financeira visa justificar as razões da manutenção do outlook (perspetiva) negativo da maioria dos bancos portugueses, depois de ter sido revisto em alta o outlook da República Portuguesa, para «estável», a 8 de novembro de 2013.

E explica ainda porque é que apenas uma instituição, o

Banco BPI, no conjunto dos quatro bancos analisados, mereceu a estabilização do seu outlook por parte da Moodys.

«Entre os quatro maiores bancos de retalho portugueses, apenas o BPI permaneceu rentável em 2013, graças ao nível inferior à média dos empréstimos em incumprimento e à contribuição positiva das suas operações internacionais», realçou Pepa Mori, analista sénior e vice presidente da Moodys.

Já os outros três bancos (BCP, BES e CGD) «vão continuar a enfrentar níveis elevados de problemas nos créditos concedidos e fraca rentabilidade, o que coloca ainda mais pressão sobre os seus níveis de capital», frisou a especialista.

De acordo com Pepa Mori, «o BPI vai enfrentar desafios semelhantes, mas numa magnitude inferior, já que beneficia de um portefólio de crédito mais forte, que apoia o seu perfil de crédito mais estável quando comparado com os seus congéneres domésticos».