O lucro da Sonaecom subiu 74,9% nos primeiros nove meses, face a igual período de 2014, para 40,3 milhões de euros, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonaecom adianta que o volume de negócios consolidado subiu 10,6% para 99,7 milhões de euros, ou 3,6% excluindo o contributo da tecnológica S21Sec.

"Este desempenho foi consequência do aumento de 10,9% das receitas de serviço, mas também de um aumento de 9,8% das vendas de equipamento", explica.

"Excluindo o contributo da S21Sec, as receitas aumentaram 1,6%".

As receitas internacionais representaram 52,7% do total da faturação na área da tecnologia.

O resultado antes de impostos, juros, amortizações e depreciações (EBITDA) baixou 41,6% nos nove primeiros meses, face ao período homólogo de 2014, para 19,8 milhões de euros, "justificado pelo contributo das operações descontinuadas que registaram 12,9 milhões de euros" no período em análise.

"A linha do método de equivalência patrimonial (MEP), que é particularmente influenciada pelo contributo da ZOPT que, por sua vez, depende do resultado líquido da NOS, cresceu 0,4%", adianta.

A Sonaecom é acionista da NOS, operadora de telecomunicações que resultou da fusão da Zon com a Optimus.

O investimento operacional (Capex operacional) do portefólio da Sonaecom aumentou de 4,7 milhões de euros para 6,1 milhões de euros, representando 6,1% do volume de negócios, 0,9 pontos percentuais acima dos primeiros nove meses do ano passado.

A Sonaecom tem a WeDo Technologies, a S21Sec, a Saphety e a Bizdirect e o jornal Público, além da participação na NOS.