O principal índice da bolsa portuguesa (PSI20) encerrou hoje a cair 1,26% para 7.334,05 pontos, acompanhando as quedas da maioria das praças europeias, com os títulos da Impresa, da Mota-Engil e do BES a registarem perdas superiores a 3%.

Das 20 cotadas do PSI20, 16 desvalorizaram, duas fecharam inalteradas (Galp Energia e Banif) e duas terminaram a sessão em terreno positivo (EDP Renováveis e Semapa).

As perdas da banca, lideradas pelo BES, foram as que mais penalizaram o índice, no dia em que o JPMorgan anunciou uma queda do lucro de 19% no primeiro trimestre deste ano para 5.270 milhões de dólares (3.795 milhões de euros). Já o Espírito Santo Financial Group (ESFG) perdeu 2,46%, o BPI 2,12% e o BCP 2%.

A bolsa de Lisboa fechou no vermelho, em linha com as principais praças europeias, no dia em que a agência de notação financeira Fitch anunciou que atualizou a perspetiva de Portugal de «negativa» para «positiva», mantendo o «rating» de crédito do país em «BB+».

A Fitch justificou a medida como base nos esforços orçamentais acordados por Lisboa e na recuperação geral da economia.

Apesar de classificar o risco de pagamento da dívida de Portugal como «BB+», ou seja, no primeiro nível em que deixa de aconselhar investimento, a Fitch admite rever a nota para um nível positivo «em breve».

Londres perdeu 1,21%, Paris 1,08%, Frankfurt 1,47% e Madrid 1,26%.