A Bolsa de Lisboa encerrou a sessão a deslizar 1,68%, com todos as cotadas no vermelho, à exceção do BPI, que fechou inalterado nos 0,99 euros.

O incide ficou-se pelos 4.802,67 pontos, arrastado pela queda das bolsas europeias, depois de mais uma sessão que fica marcada pela instabilidade que se vive na Grécia. O adiamento das eleições já fez com que o Fundo Monetário Internacional suspendesse a ajuda financeira ao país, até à tomada de posse do novo governo.

Paris desceu 1,7%, Londres caiu 1,3%, Frankfurt deslizou 1,2%, Madrid desceu 1,1% e Milão desceu 0,6%.

Em Lisboa, mais uma vez, foi a PT a cotada que mais contribuiu para a queda do índice, ao tombar 6%, para os 0,86 euros, atingindo um mínimo histórico. As ações da cotada não tem parado de cair desde que a Terra Peregrin, da empresária angolana Isabel dos Santos, retirou a oferta pública de aquisição à cotada.

Ainda nas telecomunicações, a NOS também caiu, 2,5%, para os 5,25 euros por ação.

O BCP afundou 4,4%, com cada título a cotar a sete cêntimos.

No setor da energia, destaque para a Galp, que perdeu 3%, para os 8,44 euros, enquanto a EDP desceu 1,2%, para os 3,25 euros por ação.