As valorizações do Millennium bcp e da petrolífera Galp Energia levaram a Bolsa de Lisboa a subir 0,9%, acompanhando os ganhos das pares europeias, com os investidores de olhos postos na divulgação de um importante conjunto de dados macro económicos nos dois lados do Atlântico.

As ações do Millennium bcp avançam 2,42%, beneficiando ainda dos bons resultados apresentados no início da semana.

O maior banco português cotado apresentou um lucro líquido em linha com o previsto de 264,5 milhões de euros (ME) nos nove meses de 2015, com um sólido aumento da margem financeira e do trading. Há um ano atrás, tinha tido um prejuízo de 109,5 ME.

Suporte adicional da Galp Energia, que ganha 1,17%, da EDP, que soma 0,46%, e a da EDP Renováveis, a subir 0,59%. Segundo a Reuters, a EDPR beneficia de uma subida de preço-alvo pelo Deutsche Bank para 7 euros por ação, de 6,4 euros antes.

No retalho o sentimento também é positivo, com a Jerónimo Martins a subir 0,47% e a Sonae a ganhar 1,62%.

A Mota-Engil ganha 2%, após ter anunciado que já adquiriu a participação de 12,6% detida pela Mota Gestão e Participações (MGP), no âmbito da OPA lançada sobre a Mota-Engil África com o objetivo de a tirar de Bolsa.

Nota final para os CTT que apresentam hoje resultados, após o fecho de Bolsa, com os analistas a estimarem um crescimento do lucro de 10,8% para 58,3 milhões de euros (ME) nos nove meses de 2015, com mais receitas nos negócios 'core' de correio e 'expresso e encomendas', embora o 'focus' esteja nos custos de lançamento do Banco Postal.

A média das estimativas de três casas de investimento aponta para uma subida de 4,1% do EBITDA para 105,8 ME entre Janeiro e Setembro de 2015 e uma expansão de 2% dos rendimentos operacionais para 541,5 ME.

As ações do operador postal somam 0,24%.

Amanhã, antes da abertura de Bolsa, é a vez da NOS apresentar contas. Segundo uma Poll, o lucro da NOS deverá ter crescido 29 pct no terceiro trimestre de 2015 para 24,2 ME, apoiado num sólido aumento das receitas com pacotes convergentes mais rentáveis e ganhos de clientes.

Os títulos da telecom avançam 0,25%.