Os juros da dívida pública portuguesa recusam-se a cair abaixo dos 7%. A taxa das obrigações a 10 anos, que servem de referência para o mercado, segue nos 7,115%, subindo uns ligeiros 1,7 pontos base.

A tendência é comum aos principais prazos: na dívida a 5 anos, a taxa de juro avança 3,4 pontos para 6,641%, mas é no prazo a dois anos que a subida é mais visível: 34,5 pontos base para 5,996%.

Os juros da dívida pública tinham recuado ontem, depois de várias semanas consistentemente em torno dos 7,2%, mas voltam a subir depois de terem sido conhecidos os dados da execução orçamental dos primeiros oito meses do ano.

Os investidores revelam nas taxas de juro exigidas no mercado secundário a preocupação com a saída de Portugal do programa de resgate da troika em maio do ano que vem e o seu regresso aos mercados, especialmente depois da crise política de julho. Os investidores temem que uma mudança no poder em Portugal venha a significar um menor compromisso com as metas e os compromissos acordados com os credores internacionais.