Os juros da dívida soberana de Portugal estavam esta segunda-feira a descer em todos os prazos em relação a sexta-feira.

Os juros a dez anos estavam a descer para 4,890%, contra os 4,926% no final da sessão de sexta-feira e depois de terem descido até ao mínimo de 4,818% a 18 de fevereiro.

No prazo de cinco anos, os juros estavam a descer, a negociarem a 3,818%, depois de terem terminado a 3,833% na sessão de sexta-feira. Neste prazo, os juros desceram até ao mínimo de 3,760% a 18 de fevereiro.

No prazo de dois anos, os juros também estavam a descer, a serem negociados a 2,320%, depois de terem encerrado na sexta-feira a 2,331%.

A 15 de janeiro, os juros desceram no prazo mais curto até ao mínimo de 1,917%.

Na quarta-feira, Portugal colocou um total de 1.250 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro (BT) a três e doze meses às taxas de 0,462% e 0,75%, respetivamente, inferiores às observadas nos anteriores leilões comparáveis.

Segundo a página do IGCP, agência que gere a dívida portuguesa, foram colocados 250 milhões de euros em BT a três meses, a uma taxa de juro média de 0,462%, inferior à de 0,495% do leilão de janeiro.

No prazo de 12 meses, foram colocados 1.000 milhões de euros de BT a uma taxa de juro de 0,75%, também inferior à de 0,869% praticada no leilão de janeiro.

Para as duas emissões a procura excedeu fortemente a oferta, tendo os rácios de cobertura das emissões a três e 12 meses atingido 6,26 e 2,12, respetivamente.

A 11 de fevereiro, Portugal colocou três mil milhões de euros em dívida a 10 anos a uma taxa de juro média de 5,112%.

No mesmo dia, o IGCP, instituto que gere a dívida pública, afirmou que Portugal já conseguiu financiamento para 2014 e está a pré-financiar o défice de 2015, confirmando ainda que a procura total na operação atingiu 9,8 mil milhões de euros.

Os juros da dívida soberana da Irlanda estavam hoje a descer em todos os prazos.

Dublin terminou oficialmente, a 15 de dezembro passado, o programa de ajustamento solicitado em 2010 à União Europeia e ao Fundo Monetário Internacional (FMI), no valor de 85 mil milhões de euros.

Os juros de Itália também estavam a descer em todos os prazos, depois do novo primeiro-ministro e líder do Partido Democrata (PD), Matteo Renzi, ter tomado posse.

Os juros de Espanha também estavam a descer em todos os prazos, bem como os juros da dívida da Grécia a dez anos, os únicos disponíveis.