As bolsas europeias acabaram maioritariamente em queda esta quinta-feira, exceção feita a Londres e Madrid, com ganhos na casa dos 0,2 e 0,3%. A maior queda foi a italiana, onde o MIB afundou 1,2%.

O PSI20 caiu 0,01% para 6.039,40 pontos, pressionado sobretudo pela Jerónimo Martins, que afundou 1,21% para 15,49 euros por ação.

A empresa esteve a corrigir depois dos fortes ganhos de ontem. Na passada terça-feira a dona do Pingo Doce anunciou que Alexandre Soares dos Santos deixará o cargo de chairman. Esta quinta-feira a empresa fez também notícia: a Jerónimo Martins Retalho (JMR) vai pagar 42 milhões de euros aos seus accionistas. Os analistas acreditam que a Jerónimo Martins,que detém 51% da JMR, pode aproveitar para distribuir também remuneração extraordinária aos seus accionistas.

Pior do que a Jerónimo Martins esteve a Cofina, que liderou as quedas na praça nacional: a dona do «Correio da Manhã» caiu 9,09% para 48 cêntimos, corrigindo da forte subida de ontem, de quase 17%, motivada pelos primeiros resultados das audiências da CMTV.

No vermelho merecem ainda nota o BPI, que caiu 0,42% para 94 cêntimos, e o BES, a baixar 0,12% para 82 cêntimos. No setor financeiro, a nota positiva da sessão vai para o BCP, em alta de 1,05% para 9,6 cêntimos por ação.

Na energia, a Galp deslizou 0,28% para 12,42 euros, num dia em que a EDP encerrou estável nos 2,72 euros.

Nota final, no terreno positivo, para a PT, que avançou 2,11% para 3,43 euros, ajudando a limitar as perdas no PSI20.

Nos EUA, Wall Street em alta, com o Nasdaq a ganhar 0,68% e o Dow Jones a subir 0,31%, depois de os pedidos de subsídio de desemprego terem baixado inesperadamente na semana passada e de se saber que a economia dos EUA, a maior do mundo, cresceu 2,5% no segundo trimestre, ligeiramente menos do que os economistas previsam (2,6%).