As descidas do Millennium bcp e da Galp Energia levam o índice português a cair 0,7%, liderando as quedas na Europa, fustigada por uma onda de resultados aquém do esperado de multinacionais como a Novartis, BASF e Britsh Petroleum, escreve a Reuters.

O BCP, cujas ações ontem fecharam a cair quase 5%, segue a descer 4,4%, ainda penalizado pela perspetiva que o novo Executivo na Polónia, liderado pelos eurocépticos do partido Lei e Justiça, introduza medidas desfavoráveis para a banca.

A Galp perde 0,9%.

A British Petroleum, cujos resultados desiludiram, anunciou um plano de corte de custos e de venda de ativos para lidar com a perspetiva de baixos preços das matérias primas nos próximos anos. O Brent perde 0,7% para 47,2 dólares.

Ontem, a Galp anunciou um lucro líquido de 180 milhões de euros no terceiro trimestre de 2015, mais do que previsto, com um forte aumento nas margens de refinação, que deverá permitir à empresa atingir, ou mesmo superar, o topo do 'guidance' do lucro operacional para o conjunto do ano.

Esta manhã, anunciou que chegou a acordo com o Governo de São Tomé e Príncipe e com a norte-americana Kosmos Energy para levar a cabo atividades de exploração do Bloco 6, no 'offshore' de São Tomé e Príncipe.

A Jerónimo Martins desce 1%. A retalhista é dona da Biedronka, um dos principais players do sector na Polónia.

A EDP desce 0,8% e a EDP Renováveis sobe 0,5%. O Diário Económico noticia hoje que a EDPR disputa um projeto de 200 milhões de euros no Canadá, concorrendo a um leilão para a venda de eletricidade a longo prazo.

A Pharol perde 4,2%.

Ontem, os títulos da maior acionista da telecom brasileira Oi, tinham disparado, após a LetterOne, do bilionário russo Mikhail Fridman, ter proposto injetar até 4.000 milhões de dólares na Oi se a brasileira se fundir com a Tim
Participações, aumentando as chances de um movimento de fusões e aquisições em breve.

Os títulos do Banif caem 3,9% e os do BPI 1,7%.

A tecnológica Apple, a empresa mais rentável do mundo, apresenta hoje resultados.

Os principais índices seguem em queda, a acompanhar as descidas dos mercados asiáticos, com os investidores a prepararem-se para as conclusões da reunião do Sistema da Reserva Federal dos Estados Unidos amanhã. O FED deverá deixar as taxas de juro inalteradas.