Portugal emitiu 1.300 milhões de euros de dívida pública, um montante acima do montante máximo indicado pelo IGCP, de 1.250 milhões de euros.

O IGCP conseguiu colocar mil milhões de euros na maturidade a 12 meses e 300 milhões de euros em bilhetes do tesouro com maturidade a seis meses.

No caso na maturidade a seis meses, a procura superou a oferta em 4,07 vezes. A taxa de juro foi de 0,006%, abaixo da do leilão anterior (0,014%)

Na maturidade a 12 meses, a procura superou a oferta em 2,06 vezes. A taxa de juro foi de 0,051%, abaixo da do leilão anterior (0,088%).

Filipe Silva, gestor dívida banco Carregosa, sublinhou à Reuters:

"As taxas (de seis meses) voltaram a cair para perto mínimos históricos porque o mercado continua sem ter alternativas de rentabilidade e Portugal destaca-se por ser o país da zona euro que acaba por pagar mais nos prazos curtos, à exceção da Grécia".